Sem categoria

Neuromarketing: 3 gatilhos mentais para o mercado imobiliário

Conheça 3 gatilhos mentais para utilizar nas transações imobiliárias e fechar mais negócio

Para inovar no mercado imobiliário não basta ter um site de imóveis. Hoje, os clientes desejam muito mais por parte das imobiliárias e corretores de imóveis. Pouco conhecido, o neuromarketing ajuda a compreender como o cérebro age na hora do cliente escolher um produto ou serviço por meio de gatilhos mentais.

 

Vale lembrar que a estratégia não serve para manipular as pessoas e sim para influenciá-las. A grande sacada que vem sendo explicada cada dia mais pela neurociência é conseguir chamar atenção, interagir e conversar para se manter no subconsciente do público-alvo. E o que poucos profissionais sabem é que essa técnica pode também ser utilizada no mercado de imóveis.

 

Fast thinking X slow thinking

Antes de começar com as dicas, vale entender o que está por trás dos gatilhos mentais. O fast thinking (pensamento rápido)é a ação do nosso cérebro para buscar decisões rápidas. São como atalhos para buscar soluções o mais rápido possível.

Já o slow thinking (pensamento lento) é o modo do cérebro de reconhecer uma dificuldade maior na tomada de decisão e precisando de mais tempo para fornecer uma resposta. Ao contrário do fast thinking, precisamos de mais lógica para embasar a decisão.

Sabendo isso, vamos conhecer alguns gatilhos mentais para ativar o pensamento rápido nos consumidores.

 

Conheça 3 gatilhos mentais para usar no mercado imobiliário

01 – Afeição

É normal que as pessoas confiem melhor em quem elas confiam ou se identificam. Por isso, como corretor de imóveis, precisamos buscar semelhanças com o cliente para que o outro possa sentir que a “venda do imóvel” não é o ponto extremamente importante daquela conversa.

Ou seja, antes do cliente comprar de você, é preciso fazê-lo confiar em nós como pessoa e se aproximar ainda mais.

02 – Escassez

O gatilho mental da escassez é diretamente ligado a persuasão dos clientes sobre os imóveis. O famoso “perder para dar valor” também pode ser utilizado no mercado de imóveis. Isso porque o inconsciente identifica que quanto mais difícil conseguir determinado produto (no caso o imóvel), mais valioso ele é.

Além disso, estudos comprovam que o sentimento de “perda” é muito maior do que o de “ganho”. Algumas frases podem causar ao menos certo impacto nos clientes, como:

  • É a última unidade;

  • Faz ‘tantos’ meses que nenhum apartamento é liberado neste prédio. É uma ótima oportunidade;

  • Esse bairro é bastante desejado e quase nunca sobra imóvel para negociação nesse bairro.

 

03 – Palavras-chave

Alguns estudos acreditam que certas palavras podem ser grandes potencializadores de influência e argumento para os gatilhos de vendas. Isso porque grande parte das decisões são tomadas no inconsciente das pessoas. Alguns exemplos são:

  • Você;

  • Merece;

  • Possuir;

  • Abrir;

  • Status.

Algumas frases com essas palavras podem aumentar o poder de persuasão, como:

  • Morando por aqui, você pode estar se recompensando por viver com um alto status, já que este bairro é de ótima qualidade;
  • Você merece morar nesse imóvel;

Parece ser básico e não fazer diferença, mas os gatilhos mentais podem funcionar muito bem sendo trabalhados de forma correta. Esses são apenas 3 de muitos outros que podem ser usados nas negociações.

E você, já utiliza algum tipo de gatilho mental com seus clientes? Conte para nós nos comentários.